Suicídios entre estudantes japoneses atingiram recorde em 2020

Dados do divulgados pelo governo no Japão mostram que o número de suicídios entre crianças em idade escolar no país aumentaram no ano de 2020, marcando o nível mais alto já registrado. De acordo com o levantamento foram 499 crianças que tiraram a própria vida, 100 a mais em relação ao ano anterior.

Funcionários do ministério da saúde atribuíram o aumento às preocupações entre os jovens sobre seus estudos e planos de carreira, bem como discórdia familiar, principalmente por causa da pandemia, já que passam mais mais tempo em casa, como medida de prevenção ao vírus.

A contagem de 2020 foi a mais alta desde que dados comparáveis ​​foram disponibilizados em 1980, de acordo com a Agência Nacional de Polícia.

Do total, 14 estavam no ensino fundamental, até seis, 146 estavam no ensino médio, até 34 e 339 estavam no ensino médio, até 60. Os alunos do ensino fundamental têm entre 6 e 12 anos no Japão.

Os suicídios cometidos por meninas do ensino médio, em particular, aumentaram de 80 para 140.

Por mês, a contagem de todas as crianças em idade escolar mais do que dobrou em junho e permaneceu notavelmente mais alta no resto do ano, pois o país enfrentou uma segunda e terceira ondas de infecções por coronavírus.

Os suicídios permaneceram quase inalterados entre janeiro e maio, período que abrange grande parte da primeira onda da pandemia no país e o primeiro estado de emergência do COVID-19.

O Childline Support Center Japan, uma organização com sede em Tóquio que administra uma rede de linhas de apoio para jovens de até 18 anos, disse que pais e professores devem aumentar os esforços para cuidar das crianças que se tornaram vulneráveis ​​à medida que os ambientes domésticos se tornam mais estressantes durante a pandemia do coronavírus.

“O vírus impediu que eles se envolvessem com outros alunos com os quais se sentissem confortáveis ​​nas atividades escolares e extracurriculares, deixando-os atormentados durante grande parte do dia”, disse Junko Kobayashi, diretor representante da organização.

“Gostaríamos que os pais, professores e outros adultos intensificassem os esforços para cuidar das crianças que estão preocupadas e estressadas”, disse Kobayashi.

O número de suicídios entre menores totalizou 777, um aumento de 118, disse o NPA, citando motivos como depressão e outras doenças mentais e angústia sobre o futuro ou queda no desempenho acadêmico.

O número de suicídios no Japão também subiu 912 para 21.081 no ano de referência, marcando o primeiro aumento desde 2009 em meio à crise financeira global, de acordo com o NPA.

Os suicídios envolvendo mulheres aumentaram 395 para 7.026, enquanto os casos envolvendo homens caíram 23 para 14.055 pelo 11º ano consecutivo de declínio.

Os dados da polícia citaram questões de saúde, problemas familiares e dificuldades econômicas como motivos por trás do aumento de suicídios de mulheres.

Os números totais aumentaram no período de julho a dezembro, com outubro atingindo o nível mais alto, 2.230.

Alguns especialistas suspeitam que suicídios de celebridades como o ator Haruma Miura em julho e a atriz Yuko Takeuchi em setembro podem ter impulsionado o aumento.

 
Com informações Kyodo News