Japão em festa: Prêmio Nobel da Medicina para o biólogo e cientista japonês

as20161003005030_comm-640x445YOKOHAMA (IPC Digital) – Alegria para a população japonesa e mais ainda para o biólogo Yoshinori Osumi, 71, do Instituto de Tecnologia de Tóquio. A notícia de que foi agraciado pelo Prêmio Nobel da Medicina foi recebida por telefone, por volta das 5h00 desta terça-feira (4). “É uma honra poder ser valorizado desta maneira porque eu fiz um estudo da medicina básica. Este prémio é o maior motivo de alegria e satisfação para um cientista”, declarou Osumi. Tendo dormido apenas 3,5 horas, o cientista e professor catedrático, já deu entrevista coletiva às 6h30, de Yokohama (Kanagawa), para explicar o motivo de ser laureado.

Segundo a academia, Osumi “descobriu e elucidou” como funcionam os mecanismos da autofagia, que significa comer-se a si próprio, um “processo fundamental para a degradação e reciclagem dos componentes celulares”. Ele declarou que lhe deu muita alegria em saber que o termo “autofagia” espalhou-se por todo o Japão.

Para chegar ao Prêmio Nobel, o caminho foi longo – 27 anos dedicados à pesquisa científica. Ele conseguiu, pela primeira vez na história, observar a autofagia por um microscópio ótico e explicar como isso acontece.

O trabalho do cientista e biólogo japonês abre portas importantes para contribuir com o tratamento do câncer, Alzheimer e doença de Parkinson, por exemplo.

AOS JOVENS GOSTARIA DE DIZER QUE NEM TODA A INVESTIGAÇÃO PODE TER ÊXITO, MAS É IMPORTANTE DEFINIR UM DESAFIO

Ele próprio explica a autofagia, de forma didática: “as células desmontam uma parte de si própria, reciclando-a como fonte de nutrientes”, revelando o mecanismo para o metabolismo. Ele clareou o mistério dos fenômenos fundamentais da vida, comuns a uma variedade de organismos, explicou o jornal Asahi.

“Aos jovens gostaria de dizer que nem toda a investigação pode ter êxito, mas é importante definir um desafio”, disse o laureado que nasceu em 1945, na província de Fukuoka.
Foto: Asahi Shimbun