Indústria automobilística japonesa quer proteger empregos em todo o mundo

Alternativa Online


Tóquio – O presidente-executivo da Toyota, Akio Toyoda, prometeu na sexta-feira (10) que a indústria automobilística japonesa procurará proteger empregos em todo o mundo, à medida que enfrenta a pandemia de coronavírus.
 
Conforme publicou a Associated Press, Toyoda, falando como chefe da Associação Japonesa de Fabricantes de Automóveis, disse estar preocupado com a possibilidade de a economia japonesa ser destruída antes que o mundo possa vencer a luta contra a doença causada pelo COVID-19.
 
“Se nossos hospitais ficarem sobrecarregados a um ponto de ruína, o Japão poderá nunca conseguir se recuperar”, disse Toyoda em entrevista coletiva on-line.
 
O grupo que reúne montadoras japonesas, incluindo Nissan Motor Co e Honda Motor Co, e também fabricantes de peças, criará um fundo especial para ajudar os demitidos a encontrar empregos, disse Toyoda.
 
Toyoda disse que a maior ameaça para a indústria é a perda potencial de trabalhadores qualificados em manufatura e engenharia.
 
Após a Segunda Guerra Mundial, a Toyota fabricou panelas e frigideiras e cultivou batatas em fazendas, disse Toyoda, enfatizando a determinação das montadoras de fazer praticamente qualquer coisa para proteger empregos e sobreviver.
 
Como suas contrapartes nos EUA, a Toyota começou a fazer máscaras faciais, apesar de serem muito enrugadas para serem vendidas e, em vez disso, serão usadas nas instalações da Toyota para reduzir a demanda em outros lugares, disse Toyoda.
 
O Japão declarou estado de emergência nesta semana. O Japão tem cerca de 5.500 casos de coronavírus, mas o medo é que possa haver um salto exponencial. O mundo tem 1,6 milhão de casos confirmados, com mais de 466.000 nos EUA.
 
Toyoda disse que 3.000 quartos que agora estão sendo usados para colocar em quarentena os trabalhadores que retornam do exterior, poderiam, se necessário, ser usados para outras pessoas.
 
Ele comparou a atual incerteza e a necessidade de ficar em casa durante um longo inverno. Algumas montadoras interromperam a produção porque os carros não estão vendendo.
 
“Agora estamos sentindo mais do que nunca que poder ir aonde você quer é uma experiência verdadeiramente emocionante”, disse Toyoda. “Vamos sobreviver, ou então não haverá primavera.