Depois de Kanagawa e Osaka, Tóquio vai permitir trabalho de domésticas estrangeiras

Pagamento será de ¥5 mil por duas horas com contrato máximo de 3 anos

Tóquio – O governo de Tóquio irá aderir ao programa de “zonas especiais”, criado pelo governo central para testar projetos de desenvolvimento econômico e social, para permitir que estrangeiros realizem trabalhos domésticos, noticiou o jornal Nihon Keizai.
A governadora de Tóquio, Yuriko Koike, iria anunciar a adesão ainda nesta quarta-feira (31), após uma reunião com representantes do governo central.
De acordo com o jornal, o governo da capital quer incentivar famílias de classe média alta a contratar esse tipo de profissional para serviços de limpeza, lavandeira, cozinha e cuidados infantis. A principal intenção do projeto é aumentar a participação de mulheres japonesas no mercado de trabalho formal.
O uso de empregadas domésticas estrangeiras no Japão se limitava, até então, a diplomatas e representantes de outros países.
Tóquio será a terceira província do Japão a permitir o trabalho de empregadas domésticas estrangeiras, depois de Kanagawa e Osaka. A região metropolitana da capital conta com cerca de 460 mil residentes estrangeiros, o dobro de Osaka, de acordo com o Ministério da Justiça.
Para inibir abusos e a disparidade de salários, o governo central criou diretrizes que obrigam a contratação de domésticas estrangeiras para postos de tempo integral, e salário igual ao pago para as japonesas que realizam o mesmo tipo de trabalho, cerca de ¥5 mil por uma sessão de duas horas com um contrato máximo de 3 anos.

 

Crédito: Paulo Sakamoto/Alternativa – 31/08/2016