Consuelo Yoshida toma posse como vice-presidente do TRF3

Jornal Nippak


Primeira desembargadora federal nikkei, Consuelo Yatsuda Moromizato Yoshida tomou posse como vice-presidente do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) para o biênio 2020-2022 em sessão solene realizada na noite desta segunda-feira, 2, na Sala São Paulo. A Presidência será exercida pelo desembargador federal Mairan Maia enquanto Marisa Santos assume a Corregedoria Regional da Justiça Federal da 3.ª Região, o maior e mais expressivo Tribunal em volume de processos e de valores envolvidos (causas previdenciárias, tributárias, administrativas, criminais). Os novos dirigentes foram eleitos em dezembro do ao passado.
Conduzida pela desembargadora federal Therezinha Cazerta, que passou o cargo para Mairan, a cerimônia contou com a presença do arcebispo de São Paulo, cardeal Odilo Pedro Scherer; advogado geral da União, André Mendonça; vice-governador de São Paulo, Rodrigo Garcia; presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), desembargador Geraldo Francisco Pinheiro Franco; ministros do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, Alexandre de Moraes e Ricardo Lewandowski; presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio de Noronha; vice-presidente do STJ e corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins; governador do Maranhão, Flávio Dino; general de Exército Marcos Antonio Amaro dos Santos, comandante Militar do Sudeste; comandante do Comando Geral de Apoio da Força Aérea Brasileira, tenente-brigadeiro do ar Carlos de Almeida Baptista Junior; secretaria de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Vladimir Passos Freitas; chefe da Procuradoria Regional da República da 3.ª Região, Procuradora Regional da República Rosane Cima Campioto e o presidente da OAB – Seção São Paulo, Caio Augusto Silva dos Santos, entre outros.

Presença nikkei – A comunidade nikkei também marcou presença. Foram prestigiar a posse da nova Direção da TRF3, em especial da desembargadora Consuelo Yoshida, o vereador Aurélio Nomura; o presidente e o vice-presidente do Bunkyo (Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social), respectivamente Renato Ishikawa e Carlos Kendi Fukuhara; a empresária Chieko Aoki; o presidente da Aliança Cultural Brasil-Japão, Eduardo Yoshida; o ex-presidente do Bunkyo e da Associação para Comemoração do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil, professor Kokei Uehara; a ex-presidente do Bunkyo e atual vice-presidente da Associação de Ikebana do Brasil, Harumi Goya; o ex-desembargador Kazuo Watanabe; o   professor doutor na Faculdade de Direito e na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas na Universidade de São Paulo (USP), Masato Ninomiya e a presidente da Associação Kagooshima, Mônica Uezono.

Conquistas – Abrindo a série de discursos, Therezinha Cazerta falou sobre a conquistas enquanto esteve à frente do TRF3 “apesar do cenário de severas restrições orçamentárias e escassez de servidores”, impôs a adoção de soluções criativas e menos onerosas e orientou na busca pela automatização e processamento visando a prestação da Jusrisção rápida e efetiva, “finalidade última do Poder Judiciário”.
Falou sobre a aquisição de computadores e notebooks contemplando com equipamentos modernos todas as unidades da 3ª Região e durante sua gestão investiu ainda em softwares, servidores, recursos armazenadores, mesas digitalizadoras e computadores de alto desempenho, além de realizar concursos para o ingresso de novos servidores, “num propósito de suprir mais de 500 vagas em toda a 3ª Região”.
Destacou também investimentos em melhorias no edifício sede em busca de “um ambiente saudável e seguro com reflexos no atedimento e na prestação de serviços à sociedade”. Entre as ações mais relevantes, destacou reparos nos elevadores e a instalação de detecção e alarme de incêndio. “A taxa de execução do orçamento alcançou as expressivas marcas de 95% nesta Corte e na Seção Judiciária de São Paulo e 90% na Seção Judiciária de Mato Grosso do Sul”, explicou Therezinha, que desejou sucesso aos novos dirigentes. “Muito há ainda por realizar, mas a posse de uma nova gestão composta por magistrados de reconhecida capacidade, seriedade e comprometimento, traz a certeza de que avanços ainda mais significativos virão”, finalizou.

Barreiras – Vice-presidente do TRF3 nos próximos dois anos, a desembargadora federal Consuelo Yatsuda Moromizato Yoshida é professora de Direito Ambiental da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Natural de Igarapava, Consuelo Yoshida é bacharel em Direito pela PUC-SP (1976), instituição pela qual também obteve os títulos de Mestre em Direito das Relações Sociais (1992) e Doutora em Direitos Difusos e Coletivos (2001). Ingressou no Tribunal, em 2002, oriunda do Ministério Público Federal, quando tornou-se a primeira desembargadora federal nikkei. A Magistrada integra o Órgão Especial e atuou na 6.ª Turma da 2.ª Seção do Tribunal.

Ao Jornal Nippak, Consuelo Yoshida lembrou que, ao assumir a vice-presidência do TRF3, está novamente quebrando barreiras, assim como fez no passado. “Primeiro, tive que vencer muitas barreiras, não só por ser mulher mas também por ser japonesa e a tradição dos japoneses sempre foi mais nas áreas de Exatas, Biologia e Medicina. Então, o reconhecimento na área de Humanas, principalmente na área de Direito, onde você tem que se expressar muito bem em português tanto na forma escrita quanto na forma verbal, ainda é um desafio para as mulheres japonesas”, afirmou Yoshida, explicando que, na “minha época tinha poucos nikkeis estudanto Direito”.
“Depois sim, é que mais nisseis e sanseis foram entrando na área de Direito. Eu vim do Ministério Público Federal e lá também tem alguns poucos procuradores da República. Mas gostaria muito que a comunidade nipônica soubesse e participasse mais destes eventos, pois só se dá enfoque para o Jurídico e não se fala, como deveria, da ascensão das mulheres”, disse ela, antecipando que um de seus projetos é realizar um evento – ainda este mês, em data a ser confirmada – em homenagem às mulheres nikkeis que se destacam nas mais diversas áreas.

Mediação judicial e meio ambiente – Especialista na área do meio ambiente, Consuelo Yoshida disse ao Jornal Nippak que uma de suas características, que trouxe do Ministério Público Federal, é realizar audiências públicas em questões complexas que envolvem muitos direitos e interesses em conflito e atuar como mediadora, e proferir uma decisão que atenda os interesses e seja cumprida por todos desde logo. É o caso de processos sobre meio ambiente, com todos os impactos das ocupações irregulares.
“Quaisquer que sejam as questões complexas, costumo ouvir todos os interessados, discutir e proferir uma decisão conjunta que atenda, na medida do possível, os direitos em conflito. Levo em consideração tudo o que ouvi e ainda entrego a minuta da decisão para que as partes façam as observações e todos possam cumprir as determinações sem resistência”, disse a nova vice-presidente do TRF3, afirmando que “sua preocupação é sempre atuar pensando muito em amparar os interesses das duas partes nos processos complexos. Não só daqueles que são economicamente mais fortes, mas também do lado mais vulnerável, influência da minha origem do Ministério Público Federal”, afirmou. E para desempenhar bem o seu papel, além de talento e competência, Consuelo Yoshida conta também com uma torcida muito especial.

Orgulho – Uma das amigas que foram prestigiar a sua posse foi a superintendente do World Trade Center São Paulo e primeira presidente da Japan House São Paulo, Ângela Hirata. “É um orgulho muito grande ver nikkeis ocupando cargos de suma importância na sociedade brasileira e admiro a Consuelo Yoshida não só por ser uma grande amiga, mas por ser uma pessoa que representa não só a nossa comunidade como a sociedade brasileira”, destacou Ângela.
Já o ex-desembargador Kazuo Watanabe lembra que conhece Consuelo Yoshida, “desde quando ela ainda era promotora de justiça e entrou na carreira de juiz pelo quinto constitucional”. “Vinte por cento do Tribunal segue a carreira de advogado ou de promotor e ela entrou nessa área. É professora da PUC de Direito Processual, especialista em ações coletivas, especialmente na área de meio ambiente, em que é muito respeitada. Sua eleição é um reconhecimento dos colegas desta capacidade que ela tem”, explicou Kazuo Watanabe.
A ex-presidente do Bunkyo e ex-agente fiscal de renda da Secretaria Estadual da Fazenda, Harumi Goya destacou a importância do cargo da amiga. “Nós, como mulheres, viemos dar nosso apoio e torcer mesmo para que ela consiga desempenhar bem o seu papel. Sei que é um cargo dificil pois também sou funcionária pública, mas com competência, dedicação e inteligência ela vai se sair bem e vai fazer diferença como mulher e como nikkei”, garantiu Harumi Goya.
(Aldo Shiguti, com informações do site do TRF3)