Agência de ajuda do Japão lançará órgão de apoio a trabalhadores estrangeiros

Tokyo – A Agência de Cooperação Internacional do Japão informou que lançará uma organização no próximo mês para fornecer apoio abrangente aos trabalhadores estrangeiros no Japão para melhorar seus ambientes de trabalho e de vida. 

A organização será estabelecida em 16 de novembro juntamente com a Aliança Global para Cadeia de Suprimentos Sustentável – um órgão não governamental que se concentra em questões de direitos humanos – para tratar de questões enfrentadas por trabalhadores estrangeiros, disse a JICA em uma coletiva online. 

O órgão, denominado Plataforma Japonesa para Trabalhadores Migrantes para uma Sociedade Responsável e Inclusiva, buscará tornar o Japão uma escolha mais atraente para os estrangeiros em meio à aguda escassez de mão de obra do país, fortalecendo a comunicação, propondo iniciativas de reforma e transmitindo informações no Japão e no exterior. Toyota Motor Corp. e Ajinomoto Co. estão entre as empresas que também aderiram ao corpo. 

O Japão criou um novo sistema de vistos em 1º de abril de 2019, em um esforço para atrair mais trabalhadores de colarinho azul do exterior, marcando uma grande mudança de política em relação às regras de imigração tradicionalmente rígidas. 

O número de residentes estrangeiros no Japão com o novo visto de trabalhador qualificado totalizou 1.621 em 31 de dezembro, mais de sete vezes desde o final de setembro, mas abaixo dos 47.550 que o governo esperava no primeiro ano, de acordo com a agência de imigração. 

Ainda assim, o governo japonês tem enfrentado críticas sobre o tratamento dispensado a estrangeiros que vêm de países em desenvolvimento para servir como estagiários técnicos, com violações de direitos humanos de tais trabalhadores destacadas nos últimos anos. Milhares de pessoas fugiram do programa até o momento, segundo o Ministério da Justiça, provavelmente devido aos baixos salários e longas jornadas de trabalho. 

A JICA espera que a nova organização ajude a criar um modelo que não apenas atraia mais mão-de-obra estrangeira, mas também contribua para o desenvolvimento dos países de onde vêm os trabalhadores. Mais da metade dos aproximadamente 1,66 milhão de trabalhadores estrangeiros no Japão vêm de países em desenvolvimento, e a organização espera que os trabalhadores possam colocar em prática suas habilidades aprendidas quando voltarem para casa no futuro. 

“Se os trabalhadores que vierem estiverem satisfeitos (com sua experiência), eles vão querer voltar ao Japão, e se ganharmos uma grande reputação, podemos esperar um grande aumento de trabalhadores, o que também beneficiará o Japão”, disse Kenichi Shishido da JICA no briefing de imprensa.