A primeira bilionária japonesa fala como alcançou o sucesso

Yoshiko Shinohara, de 82 anos, foi declarada a primeira bilionária japonesa que construiu toda a sua fortuna sozinha.

A empresária é saudada não apenas como uma das executivas japonesas pioneiras, mas também como uma empreendedora experiente e teimosa.

Depois de se divorciar aos 38 anos, ela montou uma agência de emprego temporário, TempStaff, em seu apartamento em 1973. “Naquela época era difícil encontrar clientes que acreditassem em uma mulher comandado um negócio. Consegui estabilidade apenas 7 anos depois. Mas foi no ano de 1990, no meio de uma das maiores bolhas econômicas do país que a empresa deslanchou”, conta Yoshiko.

A TempStaff, conta com cerca de 5.000 funcionários, 12 escritórios no exterior e um faturamento anual de US $ 2,9 bilhões.

Há muito o que se aprender com a trajetória de Yoshiko, que está na lista das 50 mulheres mais poderosas do mundo dos negócios da revista Forbes. A Business Insider enumerou alguns fatos importantes da vida da empreendedora que pode dar boas lições a quem está começando ou já tem uma empresa.

1. Nunca pretendi ser bilionária.
“Queria contribuir com a sociedade por meio do meu trabalho”, diz ela. A vontade da empresária era deixar sua marca no mundo.

2. Vivo para ser feliz e por isso me divorciei de um casamento fracassado.
“percebi que estava infeliz no meu casamento e estar casada com aquela pessoa era uma escolha para toda a vida“. Eu queria fazer mais da minha vida do que me tornar uma dona de casa.

3. Vi que havia outras mulheres infelizes, e que tinham medo do divórcio por não saberem trabalhar fora de casa. “A cultura japonesa defende que, após se casar e ter filhos, a mulher deve se tornar uma dona de casa. Por isso, é difícil para as mulheres voltarem aos seus empregos depois de se tornarem mães. Além disso, as oportunidades para profissionais do sexo feminino são mais escassas no país”.

A companhia fundada por Yoshiko pretendia resolver essa questão ao contratar mulheres e ajuda-las a serem contratadas.

4. Entendi que a diversidade é importante
No começo, a TempStaff se orgulhava por empregar apenas mulheres – era algo alinhado aos valores mais preciosos do negócio. Mas quando notei uma queda na área de vendas, tive que alterar estratégia e contratar um homens também.

Os negócios voltaram a crescer!

Ela diz que foi apostando mais uma vez na capacidade do ser humano que ela percebeu que a espinha dorsal do sucesso de qualquer empresa é um equilíbrio entre funcionários homens e mulheres.