Tokyo – Um total de 395 médicos esportivos se inscreveram para trabalharem voluntariamente durante as Olimpíadas e Paraolimpíadas de Tóquio, conforme divulgou o comitê organizador japonês.

Foram abertas 200 vagas e o comitê planeja que todos eles se tornem prestadores de serviços médicos nas sedes dos Jogos de Verão. O número de inscrições, que acabou se encerrou na última sexta-feira,  foi o dobro da meta inicial.

As inscrições mostraram que nem todo profissional médico está de acordo com a Associação médica do Japão que solicitou essa semana o cancelamento dos jogos olímpicos.

Para atuarem durante o evento, os médicos desportivos certificados devem ter uma licença médica há mais de quatro anos e frequentar um curso da Associação Desportiva Japonesa. Suas atividades incluem a prestação de serviços médicos em torneios e a atuação como médicos de equipe.

Durante as Olimpíadas e Paraolimpíadas, eles trabalharão em consultórios médicos da vila dos atletas e locais de competição, entre outros locais.

Garantir um número suficiente de equipes médicas tem sido um problema para o comitê organizador, visto que o sistema médico no Japão já foi ampliado em meio à pandemia de coronavírus.

A organização foi criticada em abril, após solicitar à Associação Japonesa de Enfermagem que contratasse 500 enfermeiras para prestar serviços médicos durante os jogos.