Japão pressiona operadoras para reduzir tarifas de celular em até 40%

Tóquio – O governo do Japão quer ver uma maior competitividade entre as três principais operadoras de telefonia móvel do país, antes da empresa de e-commerce Rakuten entrar no mercado em outubro do ano que vem com planos de baixar as tarifas de smartphones.
Yoshihide Suga, secretário-geral do gabinete, disse que as operadoras NTT DoCoMo, KDDI e SoftBank têm o potencial de reduzir as tarifas de telefonia móvel em até 40%, incluindo ligações, internet e outros serviços.
A Rakuten planeja lançar seu serviço de telefonia móvel em outubro de 2019 e pretende cobrar menos do que as três principais operadoras, disse Suga em uma entrevista coletiva nesta segunda-feira (22).
“Até lá, queremos que a concorrência se acelere e a dominação de mercado das três empresas precisa ser eliminada”, disse ele.
Um porta-voz da Rakuten disse que a empresa está considerando os preços em um nível similar ao da atual oferta sem fio. A Rakuten é atualmente uma operadora de rede virtual, onde aluga capacidade e não possui linhas próprias.
Suga também disse que é “extremamente importante” garantir a competitividade, que é responsabilidade do governo.
“Se a competição funcionar, acho que os preços inevitavelmente cairão”, disse Suga separadamente em entrevista ao jornal Sankei publicada nesta segunda-feira.
O governo quer que as tarifas de celulares caiam para ajudar a estimular os gastos em outros lugares e impulsionar o consumo geral, que tem sido um ponto fraco na economia.
Mas uma queda de 40% nas tarifas de telefonia móvel pode desacelerar a inflação ao consumidor – que tem pairado em torno de 1 por cento – se os usuários economizarem o dinheiro em vez de gastarem.